Londres (parte 7): a vibrante Brick Lane; e Greenwich, entre o Oriente e o Ocidente

No nosso último post com o roteiro de Londres, vamos a Brick Lane provar culinárias do mundo todo e encher os olhos de design e arte urbana. Saiba também como passar uma tarde muito agradável no charmoso bairro de Greenwich, visitando o Observatório e o marco do meridiano que divide o mundo em oriente e ocidente.
*Por Anaéli

Brick Lane




O domingo é o melhor dia da semana para ir aos  mercados ao ar livre em Brick Lane. O dia amanheceu bem ensolarado, peguei metrô e desci na Liverpool Street, uma das maiores de Londres, de onde também partem trens. De lá, são cerca de 15 minutos de caminhada para o destino. Alguns ônibus chegam mais perto, se estiver em dúvidas, faça a estimativa no Google ou no site Plan a Journey.

Brick Lane é um daqueles lugares que foram considerados perigosos e renasceram com investimentos, arte e gastronomia. Seus arredores concentram comunidades de Bangladesh, da Índia e do Paquistão, o que explica a grande quantidade de restaurantes dessas culinárias.

Nas últimas décadas, a região foi adotada por grafiteiros, designers, estilistas e pessoas que vivem da arte e gastronomia. A mistura de artistas, imigrantes e estudantes deu uma cara singular à Brick Lane e enriqueceu a vida noturna nas vizinhanças.

Dicas para quando estiver por lá:

  • Tente comer um bagel (ou beigel), um pão de origem judaica muito popular em Londres. O Beigel Bake, que funciona 24 horas, é uma opção inclusive para quem vai curtir a noite de East London. Fica no n° 159 na Brick Lane. Outra opção é o concorrente Beigel Shop, no 155.

    Sunday Up Market
  • Entre no Sunday Up Market, onde encontrará uma variedade imensa de barracas de comida com sabores de diversas regiões do mundo, em especial aquelas bem trabalhadas no curry. Você vai experimentar bastante, prepare o estômago porque vale a pena! Vai também encontrar lanchinhos brasileiros, como churros e tapioca. Há ainda roupas, acessórios, fotos e estampas relacionadas à pop-art e souvenirs. Funciona das 10h às 17h aos domingos, no número 91.
  • Na Old Truman Brewery (n° 91), visite as feiras com roupas, acessórios e arte.

  • Explore as lojinhas fashion, de design e coisinhas vintage nos arredores.
  • Na passagem ao lado da Old Truman Brewery (Dray Walk), está a loja de discos Rough Trade East, um santuário para amantes de música e colecionadores.
  • Explore a arte de rua nos arredores, paralelas e transversais, você encontrará trabalhos incríveis de artistas como Banksy.
  • Ama gatos? Não deixe de tomar um chá ou café com eles no Lady Cat Emporium (152-154 Bethnal Green Rd).

Nos fins de semana, muitos artistas de rua se espalham fazendo performances e música. Bata perna, aproveite o clima e a diversidade de pessoas. Tudo com paciência, porque domingo = muvuca.

#muitaspessoas

➡ Antes de sair fotografando comidas e peças de design, verifique se não há a plaquinha de “não fotografe”. Apesar das cores e texturas serem tentadoras, procure desapegar das fotos um pouco. Guarde o celular e observe, aprecie, ouça e deguste Brick Lane. 🙂

Greenwich

A tarde de domingo estava ensolarada, então mantivemos o plano de ir a Greenwich de barco.

BARCO PARA GREENWICH

Thames Clippers faz esse transporte de passageiros pelo Rio Tâmisa, o chamado river bus. A tarifa custou cerca de 8 libras, mas com o Travel Card que carregamos ao chegar em Londres, ela caiu para cerca de 6,50 libras (julho de 2017). É muito mais barato que um barco turístico, e você também vai curtir a paisagem londrina pelo Tâmisa. O catamarã também tem a vantagem de ser rápido, comparado com outros meios de transporte, e de deixar você pertinho dos pontos de interesse. Recomendo comprar a passagem na hora, já que o mau tempo pode frustrar o passeio.



Existem outras formas de chegar a Greenwich, como ônibus, DLR e até teleférico, depende do seu ponto de partida. Para descobrir, use a ferramenta Plan a Journey. Você também pode acionar o Uber. Se quer economizar, evite os táxis.

💡 Nosso roteiro em Greenwich durou uma tarde, mas eu facilmente dedicaria um dia inteiro a esse bairro (já está anotado para a minha próxima ida a Londres). Se tiver tempo, faça esse passeio em um dia e explore livremente as ruas de Greenwich, para além da orla e do Parque.

Parte interna do catamarã

A embarcação da Thames Clippers sai de piers bem acessíveis por transporte público, como o da London Eye e da London Bridge (no site deles tem mapas bem explicadinhos, em inglês).

Pra quem quer aproveitar mais o visual do barco, o píer da London Eye é uma boa opção, pois você vai percorrer uma distância maior até Greenwich. O barco é confortável e a viagem, saindo da London Eye, dura 35 minutos. Como no metrô, ônibus e trens londrinos, no trajeto vão sendo anunciadas as próximas estações. Você vai descer em Greenwich, e uma atmosfera marítima vai te receber.

 

CUTTY SARK

Ao chegar uma enorme embarcação em terra firme vai chamar sua atenção. É o Cutty Sark, veleiro que durante o século XVIII fazia a rota do chá entre a China e a Grã-Bretanha e, após restaurado, passou a abrigar um museu muito legal sobre a história dessas navegações. O barco-museu interativo é um dos ícones de Greenwich.

Cutty Sark
Todos os dias, das 10h às 18h
£ 13,50 adulto e 7 criança (preço de julho de 2017)
Preços atualizados e mais informações no site www.rmg.co.uk/cutty-sark.

 

GREENWICH MARKET, MUSEU MARÍTIMO, QUEEN’S HOUSE

As  principais atrações de Greenwich ficam a uma pequena distância a pé. O Greenwich Market fica a menos de 5 minutos – e é uma boa opção caso você esteja em busca de um mercado um pouco menos turístico. Menos de 10 minutos de caminhada e você alcançará o Museu Marítimo Nacional – que conta a história e conquistas da força naval britânica – e a Queen’s House – uma casa real conhecida por ser a primeira construção de arquitetura clássica na Inglaterra. Tudo muito perto (veja o mapa no fim do post).

 

OBSERVATÓRIO DE GREENWICH

Nesse ponto, você já estará no Greenwich Park. Após uma subida de menos de 10 minutos chegará ao Observatório Real. Eu amo observatórios (já falei do Observatório Griffith, em Los Angeles). O Observatório de Greenwich é bastante conhecido pelo marco do meridiano de Greenwich, uma linha imaginária que por convenção divide o mundo entre Oriente e Ocidente (lembra das aulas de geografia?).

Must-do em Greenwich: foto sobre o marco do Meridiano de Greenwich, com um pé no Ocidente e outro no Oriente. Acima, a bola do tempo.

Um outro ponto de interesse é a Bola do Tempo. A esfera vermelha no topo da Flamsteed House (uma parte do Observatório) foi um dos primeiros sinalizadores de tempo. Os navegantes reconheciam a hora exata pelo seu movimento: a cada dia, às 12:55, a bola do tempo sobe a meio caminho do mastro; às 12;58, ele sobe até o topo; e às 13 horas em ponto, a bola cai. Ela foi usada pela primeira vez em 1833 e ainda funciona hoje.

O Observatório também oferece exposições e recursos interativos sobre a Terra, o tempo e o universo; apresentações no planetário; observação de astros; cursos de astronomia; exibições de filmes de ficção científica; entre outros eventos.

Royal Observatory Greenwich
Todos os dias, das 10h às 17h30
£ 9.50 (ingresso adulto, preço de julho de 2017)
Preços atualizados e mais informações no site www.rmg.co.uk/royal-observatory.

Se você não entrar, poderá ver um trecho do marco do meridiano de Greenwich que fica do lado externo do Observatório, e também algumas curiosidades como as medidas-padrão britânicas e a Bola do Tempo. Mas recomendo que entre.

 

GREENWICH PARK

Perto do Observatório fica o mirante do Greenwich Park, com uma vista lindeza-de-meu-deus. Passeie, deite na grama com os locais e relaxe em mais esse belo parque inglês. Depois vale ver as cores do por do sol na beira do Tâmisa (foto-destaque) e tomar sua cerva em um dos pubs da orla de Greenwich, como o Trafalgar Tavern e o Cutty Sark.

O mirante do Greenwich Park tem uma bela visão de Londres e dos atrativos de Greenwich

Mapa:

 

Deixe uma resposta