Dicas de Itacaré: como aproveitar ao máximo esse paraíso na Bahia

Itacaré é um desses destinos que oferece muitas experiências e que dá pra aproveitar mesmo se a sua estadia for curta. São belas praias e cachoeiras, tudo pertinho da cidade que tem opções bacanas pra vida noturna, além de atividades como rafting e arvorismo.
*por Anaéli

O melhor de Itacaré

As dicas aqui não estão listadas ordem de preferência. Começo pelo centro da cidade e depois abordo as praias e cachoeiras no entorno e vizinhanças.

Mirante do Xaréu: Por do Sol em Itacaré




A Ponta do Xaréu é dos lugares mais encantadores em Itacaré. Fica entre a Praia da Coroinha e a Praia da Concha. Seu mirante permite a visão do encontro do Rio de Contas – sim, aquele mesmo que nasce na Chapada Diamantina – com o mar, além de uma panorâmica da orla da cidade e, do outro lado, da praia da concha, com seu mar calmo e azul escuro, limitado pelo caminho de pedras que conduz até o farol.

Aí, locais e turistas se reúnem para ver o por do sol, sentados nas pedras. É possível entrar pelo bar Por do Sol para acessar a área onde o espetáculo acontece.

 💡 Se estiver no bar do Por do Sol, aproveite para experimentar a caipirinha de cachaça artesanal local. É delícia (mas forte, tá?)

 

Praia da Concha

É a praia onde se concentra o maior número de barracas e de banhistas. Na primeira vez que fui para Itacaré, era tudo mato  essa praia era bem mais tranquila, quase sem restaurantes nem movimento. Hoje o que se vê é muita agitação, tribo fitness com seu frescobol, crianças com suas boias, pessoas fazendo SUP, andando de caiaque e afins, já que é a única praia nas proximidades com água mais calma – pois fica entre dois extremos protegidos por pedras. Não deixa de ser uma praia belíssima em minha opinião, principalmente em noites de lua, quando o rastro de luz conduz ao farol.

A Cabana dos Corais é a última barraca no sentido do Farol e a mais legal se você quiser curtir um sonzinho, pois costuma ter bandas boas tocando. Quando estou por lá gosto de caminhar pelas pedras no fim de tarde, a luz parece mágica naquele lugar <3.

Passarela da Vila e Pituba

São duas ruas/passagens que concentram o entretenimento em Itacaré.

A Passarela da Vila é mais recente e tem bons bares e restaurantes. O Nuuh Botequim é descontraído e animado, costuma ter música ao vivo – normalmente samba -uma ótima pedida. Um pouco depois, o Bar Zero 27 também costuma ter música ao vivo – mpb, reggae, br rock, forrozim, etc.  Do lado do Zero 27 tem um vegetariano com um hamburguer de shitake muito bom (vê lá em baixo nas comidinhas).


Descendo mais alguns passos em direção às praias, já estamos na Pituba com suas barracas de coquetéis, lojinhas de roupas e artesanato, mercados e restaurantes. O Jungle Bar e o Favela costumam liderar o reggae – reunindo uma pequena multidão na sua frente.

Mais pro fim da Pituba, pegando o caminho pra Praia da Concha ficam algumas trucks. Na Engenhoca Drinks eu tomei o meu drink preferido: um Jeribucaçu, bebida de cacau super refrescante que caiu lindíssimo no calor de Itacaré.

Boa comida

Dos restaurantes que fui, quatro me ganharam:

Moqueca da Tia Deth| Foi o melhor jantar, moqueca delícia – segundo indicações de moradores a melhor da região. É um restaurantezinho fora do circuito da Pituba, na orla da cidade, e mais no estilo comida caseira.
(R. Castro Alves, 534 – Centro)

Bistrô Camarões pelo Mundo | Caímos nele por acaso e foi uma grata surpresa. Dos mariscos aos sanduíches, comida bem feita e gostosa. Um bistrôzinho charmoso no caminho da Pituba pra Praia da Concha.

Restaurante Mediterrâneo | Não espere nenhum malabarismo gastronômico, mas dentro da proposta o restaurante se sai bem. Massas honestas e saborosas, bom atendimento, um jantar decente pra quem passou o dia entre trilhas. Na Pituba.

Vegetariano | Na Passarela da Vila, em frente à Cacau Show e ao lado da Zero 27, fica um vegetariano com um hamburguer de shitake muuuito bom – até os amigos carnívoros curtiram.

Além disso, me indicaram o Alamain Arabe vegano, na Pituba. Não cheguei a provar a comida, mas quem experimentou me recomendou.

 

Praias e Cachoeiras

Rezende, Tiririca, Costa e Ribeira

São 4 praias em Itacaré, acessíveis a pé ou de carro pelo chamado Caminho das Praias, no fim da Pituba. Destas, acho a da Ribeira mais bonita. De lá sai a trilha de arvorismo e para a Prainha. A Tiririca é conhecida por abrigar eventos de surf e é uma das mais frequentadas. No alto da praia ficam barracas, uma pista de skate, pessoas fazendo slackline e outros esportes. Vale subir nas pedras na Tiririca e apreciar a paisagem única que o relevo de Itacaré e a Mata Atlântica conectada com a praia oferecem.

 💡 Nestas praias – como na maioria das praias de Itacaré – o mar é forte e toda atenção à sinalização é pouca.

Prainha

Da praia da Ribeira sai a trilha pra uma das praias mais bonitas da Bahia. A trilha pra Prainha não exige grandes esforços físicos e dura aproximadamente 45 minutos, a maior parte desse tempo por dentro da mata.

Aquela paisagem que você só vê em seu walpaper 🙂

Porém, a trilha tem algumas bifurcações que levam a voltas beeem maiores, então, se não estiver com alguém que conheça o caminho é aconselhável ir com um guia. Não fizemos isso, fomos perguntando pelo caminho. Deu certo, principalmente porque a trilha estava bem movimentada e fomos salvos em uma bifurcação por um local que sabia o caminho. Mas não é bom arriscar.

Itacaré é uma sucessão de enseadas, e a da Prainha é uma das mais interessantes. Primeiro pela simetria de seus morros verdes, que abraçam um mar tão verde quanto, que contrasta com uma areia bem branquinha.

Não vá esperando barracas e multidões (felizmente, a vibe é outra). É muito frequentada por surfistas. Há apenas uma barraca simples que serve frutas, queijo coalho e bebidas, onde é possível usar o banheiro e a ducha.

É um lugar pra relaxar, esquecer da vida, ficar horas olhando o mar e sair renovad@.

Vizinha à Prainha fica a praia de São José, com pousadas e residências de alto padrão.

Jeribucaçu e Arruda

Mais um pedaço de paraíso em Itacaré. Jeribucaçu é a primeira praia acessível ao sair de Itacaré pela BA-001 sentido Ilhéus. O acesso fica a uns 15 minutos do centro da cidade. Depois é preciso pegar uma estrada de terra por mais uns 10 minutos, parar o carro e pegar uma trilha – mais uns 25 minutos de caminhada. A trilha é fácil, mas tem algumas subidas (água e protetor solar, sempre!). Vale a pena: o rio torna Jeribucaçu uma paisagem incrível.

Chegando lá, vale explorar a trilha que leva à praia do Arruda: só beleza no caminho e praias com piscinas naturais. Fica impossível resistir ao mergulho.


Cachoeira da Usina

Na volta de Jeribucaçu, aproveitamos para conhecer a cachoeira da Usina, que fica uns 10 minutos depois de carro. Recomendo usar o meio oficial: vá com um guia. Porém usamos o meio alternativo: perguntamos aos locais. O acesso a ela não é tão fácil e óbvio, então foi preciso atenção e cuidado.

O acesso mais rápido fica após a ponte do Rio Jeribucaçu, pelo lado do mar. Os visitantes costumam parar os carros em um descampado um pouco antes da ponte, atravessam a ponte andando (muito cuidado nessa hora, é uma rodovia) e acessam uma entrada que existe na cerca logo após.

A trilha não é difícil nem tem bifurcações, e são cerca de 15 minutos de caminhada. Mas não tem sinalização, não tem estrutura nem gente pra te ajudar no caminho, então, na dúvida, vá com um guia.

Cachoeira do Bom Sossego

Uma pequena queda d’água, muito fácil de chegar, praticamente na saída de Itacaré e com muitas placas sinalizando o acesso. É cobrada uma taxa para entrada (5 reais, dez. de 2017). Foi a cachoeira que estava mais movimentada, provavelmente pela facilidade de acesso. Lá funciona um restaurante que tem uma galinha caipira famosa.

Praias Hawaizinho e Engenhoca

Praia da Engenhoca

O acesso a essas praias fica a uns 20 minutos de carro de Itacaré. Na altura do km 12 da rodovia Itacaré-Ilhéus (placas sinalizam), deixe o carro no estacionamento e pegue a trilha. Na bifurcação, após as ruínas, se continuar o caminho pela direita, chegará ao Havaizinho; e à esquerda à Engenhoca. A trilha dura uns 20 minutos de caminhada e é bem bonita, com trechos onde se sente a mata respirar e belos mirantes dos costões rochosos.

Pra quem quer caminhar, após o Havaizinho se chega à Camboinha. E após o morro da Camboinha, outra praia muito conhecida: Itacarezinho.

A nossa opção foi relaxar na Praia da Engenhoca, que junto com a Prainha e Jeribucaçu formam o meu trio de praias preferidas em Itacaré. 😉 A Engenhoca é pouco movimentada e não tem barracas, apenas uns quiosques com água de coco e tapioca na chegada da trilha.


Cachoeira do Tijuípe

Fizemos essa cachoeira no mesmo dia da Praia da Engenhoca, pois ficam próximas. Paga-se uma taxa de 17 reais para acessar, em seguida, basta descer uma estrada de terra, em uma caminhada rápida.

Se você quer aventura e algo rootz, esqueça. Lá tem muita estrutura, restaurante, banheiros, boias e salva-vidas na beira do poço. 🙂 Mas, a cachoeira é bonita e o banho é revigorante. Vale a pena sim.

E não deixe de subir um pouco mais a trilha: mais uns 10 minutos andando na mata e você vai chegar a um lugar menos movimentado: é um poço cercado de mata atlântica com uma pequena queda d’água, a cachoeirinha.  Almoçamos um peixe frito por lá mesmo – estava muito bem servido.

Itacarezinho

Apesar do nome no diminutivo, Itacarezinho é a maior das praias da região, com 3,5 km de extensão. Fica 15 km ao sul de Itacaré, seguindo na mesma estrada que dá acesso às outras praias, e está devidamente sinalizada. Para chegar à praia, tem que adentrar uma área particular. Há estacionamento pago na praia, além de restaurantes.

Rafting no Rio de Contas e o Arvorismo na Ribeira

Várias agências oferecem o rafting no Rio de Contas  (preço médio de 90 reais por pessoa), que inclui o transporte pra Taboquinhas, onde é a saída. Ao escolher o tipo, evite o nível 1/mais fácil porque é muito sem graça/sem emoção, mesmo para iniciantes.

Já o circuito de arvorismo é considerado um dos melhores do Brasil. O acesso é pela praia da Ribeira. Custa 80 reais por pessoa (dezembro de 2017) e dura cerca de 2 horas se você não tiver muita prática.

Para as duas atividades, é preciso tênis.

Quer saber mais? Escreve pro viciadasemviajar@gmail.com!

Deixe uma resposta