Zaanse Schans: a vila dos moinhos, dos tamancos e das tulipas na Holanda

Zaanse Schans é uma vilazinha holandesa que cheira a chocolate e mato. A apenas 15 minutos de trem de Amsterdam, atrai muitos turistas porque representa a Holanda típica, com seus moinhos de vento, tamancos, vaquinhas malhadas, stroopwafels, casas delicadamente decorada com flores, tulipas e mais.  Vale o bate-volta, pela beleza dos cenários e pelos queijinhos e delícias holandesas! 🍫🧀🥞☺️
*Por Anaéli

Caminhar por Zaanse Schans é mergulhar em um parque temático com os maiores símbolos holandeses, como os tamancos e os moinhos de vento. E não apenas por causa dos museus: a cidade em si é uma mostra da cultura da Holanda mais típica, a céu aberto. Esse é daqueles passeios democráticos: dá pra ir com os amigos, com a vó, com mozão,  com a família inteira.

Como chegar a Zaanse Schans




Ir de Amsterdam a Zaanse Schans de transporte público é muito simples. Ela fica na cidade de Zaandam e dá pra ir de trem e de ônibus, ambos saindo da estação central de Amsterdam. Também é tranquilo ir de carro, usando apps/gps.

TREM | O trem é mais rápido, com um trajeto de cerca de 20 minutos a partir da Centraal Station até a estação Zaandijk, que é a parada mais próxima de Zaanse Schans. Ao saltar, com mais uma caminhada de uns 15 minutos você chega à vila. Pagamos 3 euros na passagem de trem, que compramos em um terminal de auto atendimento na própria Centraal Station, no dia da ida. Preços atualizados podem ser consultados em https://www.ns.nl/.

BUZÃO | O ônibus demora 45 minutos (linha 391 da empresa Connexxion). A passagem pode ser comprada diretamente no veículo, e é um pouco mais cara que a do trem, 5 euros, porém crianças pagam preço diferenciado. Valores atualizados no site da empresa.

TREM OU BUZÃO?| Fazendo a pesquisa prévia à viagem, vimos algumas recomendações de pegar o ônibus para saltar na vila de Zaanse Schans, para evitar a caminhada do trem. Como essas Anas amam caminhar (e andar de trem, né, porque buzu a gente já pega em Salvador haha), optamos pelo transporte ferroviário mesmo. E não nos arrependemos: a caminhada da estação até a vila é muito tranquila e agradável (e o cheiro de chocolate já começa logo na descida do trem haha). Em 30 minutos estávamos em Zaanse Schans, juntando trem+paleta. O ônibus deve ser a melhor opção para quem gosta de andar pouco ou tem pessoas com mobilidade reduzida no grupo.

Pausa para tradução: paleta = caminhada, em bom baianês.

 💡 Na Centraal Station, seguindo as placas indicativas você consegue facilmente encontrar tanto o local de partida de trens e ônibus, quanto as plataformas específicas das linhas que vão a Zaanse Schans.

 

Zaanse Schans: o que ver

Tudo! A vila inteira é uma coleção de símbolos holandeses e atrações. Moinhos, fazendas, casinhas típicas, vaquinhas e latões de leite, tamancos, tulipas, queijos, panquecas e chocolates não faltarão em seu caminho. Casinhas verdes indicam lojinhas e pequenos museus e oficinas. E não dá para se perder: placas, o circuito bem demarcado e a multidão de turistas indicam o trajeto #segueofluxo. Também dá pra percorrer o vilarejo de bike. Tudo muito bem sinalizado.

a cada passo, um mimo

Alguns destaques:

  • Moinhos de vento: visíveis de praticamente toda a vila, que tem pelo menos uma dezena de lugares bacanas para tirar fotos deles. É possível entrar em 6 destes moinhos, que abrigam museus específicos, e subir para sua parte externa. O valor é 4 euros (julho de 2017). Subimos no De Kat – um moinho de tintas – que até hoje fabrica e vende estes produtos de maneira artesanal. Em outros moinhos, o visitante conhece a história da fabricação de temperos, óleos, serrarias, etc.

  • Museus: além dos moinhos, Zaanse Schans abriga vários museus. Os mais famosos são o Zaans Museum, que resguarda artefatos, pinturas e vestuário ligados à tradição e história local; e o Wooden Shoes, que conta a história e a fabricação dos tamancos holandeses.

 💡 As informações sobre os moinhos (e também museus e outras atrações de Zaanse Schans) podem ser consultadas em www.dezaanseschans.nl/en/ (inglês).

  • The Gecroonde Duyvekater: uma bakery muito fofa, que também é um museu! Sua decoração é formada por diversos objetos que remontam às tradições holandesas e locais. Fomos lá pela manhã, e não resistimos ao chocolate quente, ao stroopwafel, nem aos waffles e panquecas, tudo bem gostoso mesmo. Recomendo!

  • Queijaria Catharina Hoeve: mais conhecida como Fábrica de Queijos de Zaanse Schans, por reproduzir o ambiente de fabricação do Gouda. Lugar pra enlouquecer os amantes de queijo, com sabores diversificados e mostardinhas de tipos diferentes. Prepare-se para provar muuuito.

  • Cacaolab: você prepara seu próprio chocolate ou sorvete, aprende sobre a fabricação do chocolate, e claro, pode comprar diversos tipos de… chocolate, chocolate, chocolate!

Zaanse Schans não dispõe de boas opções de restaurantes para almoçar (pensando no almoço à brasileira, bem servido). Mas você já viu que lanches e degustações não faltam. Então, a gente se jogou no esquema petiscar-durante-o-dia-e-jantar-bem-à-noite. Além da bakery e dos queijos e mostardas na fábrica de queijos, também fomos de croquete holandês e tábua de frios em um dos restaurantes do centro da vila (próximo às lojas de souvenirs).




Terminamos nosso passeio em um mirante de madeira, com uma visão panorâmica do vilarejo. Caminhe o máximo possível, assim você não vai perder nada do encanto dessa vilazinha fotogênica e cheia de tradição.

Mapa

De San Francisco a Sausalito: Golden Gate Bridge de bike

Retomando a série de posts sobre a road trip dos Estados Unidos, escolhi mais uma experiência daquelas lindonas pra compartilhar no blog: atravessar a Golden Gate Bridge de bike, até a simpática Sausalito! Foi uma das coisas que mais gostei de fazer em toda a viagem. Vá por mim, você vai curtir também 😉
Por Anaéli

Continuar lendo “De San Francisco a Sausalito: Golden Gate Bridge de bike”

Foz do Iguaçu em 3 dias: Cataratas, Parque das Aves, Paraguai e Argentina

Vamos de destino nacional no post de hoje! Na viagem para Foz do Iguaçu, em cerca de 3 dias é possível conhecer as impressionantes cataratas – do lado brasileiro e argentino – passear e jantar em Puerto Iguazu (ARG) e fazer compras no Paraguai. No pacote, é possível incluir ainda o Parque das Aves, o Marco das 3 Fronteiras e outras atrações. Confira as dicas!
* Por Anaéli

Continuar lendo “Foz do Iguaçu em 3 dias: Cataratas, Parque das Aves, Paraguai e Argentina”

Colônia del Sacramento: um bate-volta fofo saindo de Buenos Aires

Colônia del Sacramento é uma cidade charmosíssima, arborizada e de arquitetura colonial. Para completar, é cheia de restaurantes e museus históricos, e fica a apenas uma hora de barco de Buenos Aires.
*Por Anália

Apesar de estar situada no Uruguai, Colônia del Sacramento é um bate-volta muito comum para quem está visitando a capital argentina. Essa cidade encantadora está a apenas uma hora de travessia pelo Rio del Plata.

Continuar lendo “Colônia del Sacramento: um bate-volta fofo saindo de Buenos Aires”

Sobre castelos e dragões: um dia em Cardiff, capital do País de Gales (bate-volta de Londres)

Uma terra marcada por castelos e lendas envolvendo reis e dragões. Não, geeks, esqueçam Game of Thrones, não estou falando de Westeros. 😆 Estou falando do País de Gales, um país pequeno do Reino Unido, mas cheio de atrativos e curiosidades. É possível visitar a capital Cardiff em um bate-volta a partir de Londres.
*Por Anaéli

Continuar lendo “Sobre castelos e dragões: um dia em Cardiff, capital do País de Gales (bate-volta de Londres)”