Buenos Aires: dicas de transporte, internet e alimentação!

Buenos Aires é uma queridinha dos brasileiros, então a gente tem mais post sobre ela! Veja dicas de como comprar e usar chip para internet, como se locomover e a cultura nos restaurantes na capital dos hermanos.
*Por Anália

Quando pensamos em Buenos Aires, pensamos em comer uma bela carne e tomar um bom vinho certo? Pelo menos eu penso! Por isso hoje a gente começa com…

COMER




– É importante saber que em 99% dos restaurantes é cobrado o “cubierto” (principalmente no jantar). É um couvert, com a diferença que você não precisa pedir: sentou e já vai recebendo seu cubierto. Vem um pedacinho de pão com algum patê – varia a depender do restaurante, mas a maioria dos que eu comi foi assim – e você paga um valor fixo por pessoa. Esse valor fixo pode variar de 20 a 90 pesos e vir na conta também com o nome “serviço”. Na porta do restaurante ou no cardápio sempre terá o valor. Ou simplesmente pergunte ao garçom =).

– As gorjetas podem ou não vir discriminadas na conta – é mais comum que não venha. Fica a seu critério pagar ou não os 10%. Algumas vezes eu não paguei, pois entendi que o “serviço” que estava escrito nas contas (era o valor do cubierto, na verdade) já serviria para isso. Não vi ninguém me olhando de cara feia. Mas é aquela coisa: se o serviço for bom, vale a pena né?

– Os pedaços de carnes são grandes, variando entre 300g e 400g. Então, caso você não coma muito, o melhor é dividir. Além disso, o prato principal (proteína) pode vir sem acompanhamentos, é bom perguntar ao garçom antes de fazer o pedido.

– Os cortes de carne mais famosos são o bife de chorizo (que equivale ao nosso contrafilé) e o lomo (filé mignon). Quer picanha? Então peça tapa de cuadril. São todos deliciosos!

Esse é pra te dar fome!

– Carne ao ponto é ao ponto mesmo (um pouco diferente de alguns lugares aqui no Brasil): ela vai estar vermelha por dentro, mas sem o sangue escorrendo. Se você não gosta, peça bem passada – ainda assim virá macia.

– As carnes vêm quase sem sal – até eu, que como bem pouco, estranhei. Como geralmente o saleiro não fica na mesa, se quiser mais vai ser preciso pedir ao garçom. Peça um bom malbec para acompanhar (por cerca de 150 pesos ou menos você consegue uma garrafa de um vinho gostoso num restaurante, sem pesar no bolso).

– Em Buenos Aires tudo tem batata: frita, assada, rústica, em forma de purê… Vai ser difícil – ou talvez impossível – não encontrar batata em algum restaurante.

COMPRAR VINHO PARA TRAZER

Quer trazer vinho para o Brasil? Comprar nos mercadinhos “chinos” pode ser uma boa economia. Para identifica-los, segue a dica: são pequenas mercearias, geralmente umas portinhas sem nome na frente e com chineses trabalhando lá dentro. Se você não encontrar, vá nos mercados mesmo, com certeza será bem mais barato que no Brasil – e às vezes tem promoção do tipo leve 3 e pague 2. Bom, né? Eu consegui uma dessas e voltei feliz =)




INTERNET

Durante a semana que passei em Buenos Aires, utilizei um chip prepago da movistar, que comprei numa lojinha de conveniências (um “kiosko”). Paguei 20 pesos argentinos pelo chip e fiz uma recarga, pagando 7,50 pesos por dia para ter direito a usar 50 MB. Toda vez que ultrapassava os 50 MB, eles cobravam mais 7,50, renovavam os megas, mas esse só servia até meia noite. Acredito que gastei uns 70 pesos em 1 semana, e com essa internet consegui postar algumas coisas no instagram (não muito, aproveitava mais o wifi do hotel), usar whatsapp e olhar o mapa quando estava na rua para ajudar a me locomover. Vale muito a pena.

MEIOS DE TRANSPORTE

Locomover-se em Buenos Aires é bem fácil.

O metrô da cidade, com mais de 100 anos de implantação, foi meu meio de transporte preferido! Algumas estações são bem velhas, mas outras são bem bonitinhas, como as estações Carlos Gardel (no topo desse post) e a Plaza Itália, que tem o chão decorado:

Para utilizar o metrô, basta comprar um cartão “sube” em qualquer estação (há outros pontos de venda, mas acho esse o mais prático) por 25 pesos argentinos e recarregá-lo. Achei a passagem bem barata (7,50 pesos em abril de 2017), e a partir de 20 viagens tem desconto progressivo.

Um mesmo cartão pode ser utilizado por mais de uma pessoa, basta encostá-lo mais vezes na catraca e as todas as passagens serão registradas. E ainda tem mais vantagem: se o crédito do seu cartão não for suficiente, você pode passar na catraca e recarregar depois, cobrindo o saldo. Isso é excelente para quando você chega na estação e precisa correr para pegar o trem que acabou de chegar na estação! Rs.

Você também poderá usar o seu sube (igualzinho ao da foto ao lado) para andar de ônibus – eu peguei um bem cheio, não amei muito a experiência não. Confira mais informações no site oficial.

Táxi em Buenos Aires também não é caro, mas tem um grande problema: às vezes é difícil conseguir um. Numa noite chuvosa de final de semana pedimos ao recepcionista do hotel para chamar um por telefone; ele disse que não adiantava, pois os táxis não aparecem. Ou seja, foi preciso ficar na rua dando a mão – e isso levou mais de 20 minutos. Além disso, é bom ter o cuidado em não pagar com notas altas, pois o troco pode vir com nota falsa. Esse problema não aconteceu comigo, mas como muitas pessoas alertaram, deixo a dica aqui também.

Algo que eu sempre faço quando pego táxi em viagens é acompanhar pelo google maps se o caminho está correto, pois assim você poderá perceber se o taxista está dando voltas desnecessárias!

E então, gostou das dicas? Tem mais alguma dica de Buenos Aires? Deixa um comentário pra gente!

Um comentário em “Buenos Aires: dicas de transporte, internet e alimentação!

  1. Muita massa suas dicas! Mas a pergunta que não quer calar é se nos cardápios dos restaurantes portenhos já tem opções vegetarianas e sucos de frutas (pq da última vez que tive lá, só encontrei refrigerantes e bebidas alcoólicas…)?

Deixe uma resposta