10 dicas para economizar em viagens

Já pensou em trabalhar enquanto viaja? Já usou o site do Banco Central pra pesquisar as casas de câmbio mais baratas? Confira aqui 10 dicas do Vício Viajar para economizar em suas viagens. Gaste menos – e aproveite para enriquecer de ideias e experiências!
*Por Anaéli

1. Aplicativos




Use e abuse dos apps para planejar e economizar na sua trip. Comece pelos aplicativos de monitoramento de promoções e preços de passagens, como o do Melhores Destinos e o Skyscanner. Monitore cotações e crie alertas de preços de moedas com programas como o MelhorCâmbio. Plataformas sociais de recomendação de locais, como o Yelp e o Trip Advisor, ajudam a saber sobre restaurantes, atrações, hospedagens mais econômicos e com melhor relação custo-benefício. Pesquise sobre os apps locais de mobilidade, e compare preços de Uber e táxi, por exemplo, antes de optar um deles.

 

2. Use o site do Banco Central para economizar no câmbio

O Banco Central tem em seu site o ranking do Valor Efetivo Total (VET), que disponibiliza uma média do valor cobrado pelas moedas nas casas de câmbio e bancos. O ranking lista as instituições por nome, o número de operações realizadas no mês anterior, a média do valor cobrado pela moeda e uma simulação de quanto o consumidor pagaria considerando esse valor.

Embora seja uma média simples do mês anterior, é uma boa referência para ajudar na escolha do local onde você vai fazer seu câmbio. Neste link você encontra mais dicas para usar essa ferramenta. Lembre-se que para alguns destinos, como Buenos Aires, costuma ser mais econômico fazer a maior parte do câmbio ao chegar.

 

3. Na hora de se hospedar

Os hostels ainda são a escolha mais fácil e imediata quando a gente pensa em hospedagem barata, né? Além do preço, a socialização atrai quem gosta de viajar sozinho e conhecer pessoas. Alguns hostels oferecem inclusive a possibilidade do hóspede trabalhar em troca da estadia. Você pode perguntar diretamente no hostel de seu interesse ou utilizar plataformas como a super bacana Worldpackers, criação de brasileiros.

Para pequenas vilas e cidades, as pousadinhas locais e hospedagem em casa de nativos muitas vezes são opções ainda mais em conta do que os hostels. Busque sempre referência com pessoas que já se hospedaram para garantir a tranquilidade de sua estadia.

Não se limite aos hostels. Outras opções econômicas são as bed and breakfast – alugar um quarto na casa de um local, geralmente com café da manhã – ou o aluguel de quartos, em sites como o AirBnb. Além de poupar dinheiro, essas escolhas fazem o turista experimentar com mais intensidade o cotidiano local e a, depender do anfitrião, novas amizades podem surgir.

Vai viajar com mais gente? Então os apartamentos e casas completos do AirBnb podem sair mais em conta que hospedagens tradicionais.

Mas o melhor camping da vida foi 0800 no meio da mata – na Chapada Diamantina 🙂 (trilha da Fumaça por Baixo)

Campings são sempre uma opção super econômica, e alguns tem estrutura que oferece bastante conforto pra quem é menos raiz e mais nutella. 😉 Eu já tive toda sorte de experiências com campings – desde aqueles que mal tinham água até os que eu nem sentia que estava acampada. Por exemplo, já fiquei no Mundaí, em Porto Seguro (BA), onde a área de camping tem toda a estrutura necessária para uma estadia bem confortável, inclusive com banheiros amplos e limpinhos – e até piscina.

Tudo depende também do quanto você gosta de experimentar. O Couchsurfing, por exemplo, é uma opção para se hospedar gratuitamente no sofá de um local – sendo que você também oferece o seu. Minha partner Anália já contou a experiência dela “couchsurfando”: confira o post. Mais de 4 milhões de pessoas estão cadastradas nas plataformas de couchsurfing.

Para qualquer das opções, quanto maior a antecedência da reserva, mais você economiza! Planejamento é tudo.  😉

 

4. Trabalhe enquanto viaja

Vai fazer uma viagem longa e quer economizar mais? Quer rodar o mundo, ampliar horizontes, mas não herdou uma nota uma da tia-avó milionária? Existem diversas plataformas digitais que conectam viajantes e organizações precisando de trabalho.

worldpackers.com

As experiências são as mais diversas: trabalho remunerado, troca por estadia, intercâmbio, trabalho voluntário e em ONGs, etc. Você pode ganhar algum dinheiro para ajudar na sua viagem – ou se enriquecer de ideias, vivências e conhecimento.

Pra começar, além da Worldpackers que já citei, vale dar uma olhada em sites como Workaway, Go Cambio e Hopineo. Você vai notar que não precisa ser um expert em algo para trabalhar – o que vale mais é a abertura para novos aprendizados e a vontade de mudar e experimentar o mundo. S2

 

5. Transporte público e cartões locais

Pesquise sobre o sistema de transporte público do seu destino, levante as linhas e horários de ônibus, rotas e funcionamento de estações de metrô, e planeje os trajetos nos sites específicos ou Google.

Pesquise também sobre como adquirir os cartões e bilhetes que facilitam o deslocamento urbano. Em Londres, por exemplo, o Oyster Card integra diferentes meios de transporte – metrô, trem, ônibus e barco -e pode ser carregado de diferentes formas. Você pode pagar um valor fixo por uma semana, com utilizações ilimitadas durante o dia, o que além de econômico é muito prático.

 

6. Sites de desconto e compras coletivas locais

No planejamento de sua viagem, pesquise os sites de descontos, vouchers e compras coletivas locais. Falo do velho e bom Google mesmo, busque expressões como “promotional coupons”, “voucher websites”, “deal of the day”, etc., acompanhado do nome do seu destino. Foi assim que descobri o Living Social.

Especialmente nos EUA, a prática de oferecer tíckets de desconto é frequente e há muitos sites do tipo. O Viajali fez uma lista bacana com sites que oferecem desconto em Orlando, por exemplo.

Alguns sites de desconto abrangem variadas cidades. A Timeout costuma oferecer a seção ‘shop’ para cada destino com dicas de ofertas. E neste link você tem uma lista com outros sites populares.

 

7. Vai fazer compras?

Para souvenirs, evite os pontos turísticos – prefira os centros de comércio popular. O mesmo vale para alimentos: os grandes mercados e feiras valem a visita e as degustações, porém tendem a ter preços mais altos do que as feirinhas de bairro. Para roupas e eletrônicos, pesquise dias de promoções nas lojas de suas preferências e dê preferência aos outlets.



8. Economizando nos pontos turísticos e na noite

Se vai curtir muitas atrações como parques, museus e catedrais, os passes turísticos costumam combinar diversas dessas atrações por um preço único e são facilmente encontrados na internet.

Se está com pouca grana mas deseja curtir a noite, corra das boates/clubs. Prefira os pubs com entrada livre, ou centros gastronômicos e shows gratuitos.

9. Chegando

Os aeroportos normalmente têm trem e linhas de ônibus com destino ao centro da cidade. Opte por um desses transportes, mesmo que ao chegar no centro precise pegar um táxi ou uber para completar seu percurso. Sai bem mais em conta.

10. O óbvio

Mas que não custa reforçar: quem precisa economizar mesmo evita a alta temporada. E a maior dica de economia é sempre: planeje com antecedência e pesquise, pesquise, pesquise de novo!

Esse post tem o selo de aprovação de pão-durice do Julius 🙂

💡 Tem outras dicas para economizar em viagens? Deixe aí seu comentário ou escreva para viciadasemviajar@gmail.com. Sua dica pode entrar em nosso post!

Deixe uma resposta